Páginas

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Step Into the Future: don't care titulo LOL

Nota do editor: Este texto é uma resposta da colunista Viviane do TWoF ao Step into the future - Facilidade de mudanças texto recente da série Step into the Future, que era para ser um post, virou uma série e agora é um diálogo. Enjoy.
Eu pretendia fazer outro post respondendo, mas isto aqui não é revistinha semanal, então a minha resposta já está no final deste post mesmo. O título foi a V que escolheu, 'cause she really don't care. ;)
- Willyans Maciel

V: Ótimo texto.
É fácil pensar em viver algo, como uma determinada época que não se viveu ou conheceu o suficiente, como "melhor" (puxa, eu queria ter nascido uns anos antes para poder ver o Freddie Mercury ao vivo - e quem garante que eu teria as condições necessárias para isso ou mesmo o desejo de fazê-lo?), mas hoje, mesmo uma pessoa "pobre" tem as facilidades e confortos que muitos reis de séculos anteriores não tiveram: avião, anestesia e merthiolate que não arde - cara, aquilo doía mais do que ralar o joelho!

No geral, mudanças tem riscos inerentes, mas a não mudança também tem. Oras, ir para a Alemanha poderia "não dar certo", assim como permanecer também poderia dar errado de alguma forma. Não há como saber a não ser (fazendo!) pesando os prós e os contras, fazendo o melhor possível naquele instante e evitando aquilo que já provou ser ineficiente - tipo mudar de país achando que isso por si só resolveria a maioria dos problemas da vida (É, tenho minha parcela de fujona de problemas também). E, afinal, o que é "dar errado"? Se estamos vivos e inteiros, com a possibilidade de escolher as mudanças que queremos, provavelmente, nada ainda deu tão errado assim!

Pra fechar, acho que eu já disse isso em algum lugar, zona de conforto não é um lugar específico, sair dela, mudar, nem sempre é fácil, nem sempre dá certo, mas, com o perdão do meu francês, é uma merda ficar no mesmo lugar, pensando: "Seria legal SE... *qualquer coisa*... mais isso não vai dar certo *abaixar a cabeça e aceitar a situação*". A vida é muito curta pra ficar infeliz parado no mesmo lugar, ou na mesma profissão, ou na mesma cidade, ou... ou... ou... 

Então, é... É legal viver no "futuro", mesmo sem o Freddie Mercury cantando ao vivo a poucos metros de mim, rs.

W: Obrigado.
(A única linha que recordo facilmente de Pessoa "quem irá escrever a história do que poderia ter sido"). Este é o ponto de dizer que vivemos no futuro, aquele futuro que imaginávamos antes de 2000, suddenly é agora (BTW http://meiodetudo.blogspot.com.br/2010/07/step-into-future.html). Quanto ao merthiolate, eu ainda acho que o ardor é que curava, e nos ensinava como a vida funciona! Ainda ouço a voz do meu pai "A vida é feita de sacrifícios W, quer sarar? Vai doer, aguenta".

Eu tenho a impressão que a maioria das vezes que nos damos mal na vida é porque esperamos um Deus Ex Machina. Quando entendemos ações e consequências (causa e efeito ;) ) as coisas ficam mais claras, não quer dizer que não teremos arrependimentos, dúvidas, etc, etc. Mas seremos capazes de compreender melhor o que precisamos fazer. As vezes precisamos fazer certas coisas antes de tomar o caminho da mudança, pois afinal, a própria vida após a mudança pode exigir algumas habilidades/coisas/fatores que não temos ou não desenvolvemos ainda. O dentista do meu exemplo não pode largar tudo e ir trabalhar como advogado, ele tem que fazer o curso e passar no exame da ordem, até lá ele talvez tenha que continuar trabalhando como dentista para pagar a faculdade, montar o escritório et al.
Não obstante, eu entendo seu ponto, o que ele não pode fazer é ficar atendendo em seu consultório sonhando com uma atuação de advogado que ele nunca realizará e não tem como saber se seria boa ou não. E se não for, well such is life. Neste caso ele ainda pode voltar a ser dentista, em muitos outros tipos de escolha não há volta, mas sempre que alguém diz que "tudo deu errado" eu pergunto "mas você morreu?". Se não morreu, levanta essa cabeça e vamos de novo que a vida continua (por mais batido que pareça, é verdade)!

Nenhum comentário :